Seguidores

domingo, 5 de agosto de 2012

Conversando sobre métodos e jogos...


Vamos conversar um pouco à respeito dos  jogos que podem ser feitos utilizando-se o Lenormand?
A primeira coisa que vou dizer é que são inúmeros! Eu arriscaria dizer que, potencialmente, são tão numerosos quanto a imaginação humana. Por outro lado,  nem todos os métodos são tradicionalmente usados pelo povo cigano (o que não invalida o método), ou se tornam conhecidos pela "comunidade" dos amantes do Lenormand. De fato, não conhecemos, eu pelo menos não conheço, a origem da imensa maioria dos métodos de uso frequente. Acredito que esses métodos surjam da intuição de alguém que, uma vez comprovando sua eficácia, passa a ensiná-lo e divulgá-lo. Muitas vezes os métodos surgem de algo que poderíamos chamar de inspiração, venha ela de um guia espiritual ou das profundezas de nossa alma. Mas como esses jogos são divulgados? Hoje, é bastante compreensível como isso se dá, afinal estamos em tempo de internet! Nossos blogs, ou sites, podem tornar conhecidos e divulgar, quantos jogos tenham sido utilizados por nós. Mas... Como isso de dava anteriormente?


Posso imaginar ciganas experientes ensinando, às jovens ciganinhas, desde os jogos de interpretação mais simples, aos mais exigentes. Passando-os de geração em geração, à volta das fogueiras dos acampamentos ou no interior de suas tendas utilizando, desde tempos remotos, as cartas comuns de jogar, e as lâminas de tarot ou tarocchi (que são anteriores ao Petit Lenormand, também conhecido como baralho cigano).



Como aconteceu com grande parte do conhecimento humano, o método oral de difusão da cartomancia, por ciganos e não ciganos, foi usado por longo tempo (e ainda o é), antes da invenção dos tipos móveis de impressão de Gutenberg, e da produção em massa de livros.
O importante, nesse caso particular, é que, em algum momento, essa arte particular ganhou a atenção de uma elite intelectual interessada em assuntos ditos esotéricos, ou herméticos, ou seja, ligados ao conhecimento doutrinário, ou filosófico, até então tidos como ocultos, ou de conhecimento apenas de determinados grupos. A partir daí, estudos, por exemplo, sobre os arcanos do Tarot tradicional passaram a fazer parte de obras escritas, saindo da transmissão pessoa-a-pessoa, e ganhando uma divulgação cada vez mais abrangente. Este fato abriu portas para que os mais variados decks de cartas surgissem e fossem divulgados, inspirados no tarot tradicional ou no baralho de jogar comum, ou em ambos! Sem falar que tanto o nosso Lenormand, como o Tarot tradicional, foram sendo estudados, não apenas por si mesmos, mas à luz de outras artes, ou ciências, ou doutrinas, como astrologia, numerologia, Kabalah, mitologias e seus panteões, como o egípcio, grego, africano, "Arturiano", celta, nórdico, wiccano...


... Enfim, hoje temos uma enorme variedade de livros sobre esses estudos, e de novos decks que surgem frequentemente. Alguns mantém os 36 arcanos do nosso Lenormand (o petit Lenormand), e suas interpretações tradicionais, acrescentando-lhes símbolos de outras artes, ou simplesmente modificando suas representações gráficas de acordo com uma estética que valorize uma visão pessoal do autor.



De qualquer modo, o principal elemento visual de cada carta do baralho Lenormand será facilmente reconhecido. Os que mantém essas características trazem a denominação "Lenormand" acoplada a seu nome, e suas cartas podem ser estudadas como as do Lenormand tradicional.
Com a produção industrial de decks tão variados, tornou-se usual a publicação de livretos ensinando, de forma muito reduzida, alguma coisa sobre as cartas, e sugerindo algum método de jogo. Desnecessário dizer que os métodos sugeridos variam bastante.
Acredito também que métodos de leitura das cartas do baralho comum, ou do Tarot, tenham sido adaptadas para serem usadas com o Lenormand (de aparecimento mais recente), ao mesmo tempo que, por suas características próprias, o baralho cigano (petit lenormand) tenha suscitado a criação de métodos a serem usados especialmente com ele. Imagino que assim tenha surgido o chamado Grande Jogo, ou Mesa Real, ou ainda Grand Tableau, o mais tradicional método de leitura dessas cartas! É preciso que se diga que até mesmo o método, tradicionalíssimo, da Mesa Real não é jogado com  variações tanto quanto à disposição das cartas, quanto ao que se deve considerar na leitura.


Para a Mesa Real,  usamos todas as 36 cartas do Lenormand, dando origem, portanto, à um jogo complexo e que exige bastante tempo para sua interpretação, bem como um grande conhecimento dos arcanos e suas relações. Talvez, por isso mesmo, tenham surgido tantos, e diferentes, métodos de leitura! - Para que certos assuntos pudessem ser vistos com mais rapidez, é claro! Como resultado, hoje temos tiradas que usam números diferentes de cartas, que vão de 01 a 36!

Na Mesa Real, cada casa corresponde a um determinado aspecto, inspirado pelo arcano de número correspondente. Por ex: Casa 5 está relacionada à saúde e força (energética) vital, já que o Arcano 5, a Árvore, nos fala sobre isso! Então relacionamos a carta que ocupa uma casa ao tema dessa casa. Como no grande jogo, existem outros jogos que têm os significados de suas casas também marcados, embora usem um número menor de casas,  dispostas segundo um padrão que propicie uma leitura mais direta ou simplificada .
Outros jogos que usam um número bem menor de cartas, e não têm casas ou posições marcadas, devem  ser lidos como uma história que se desenrola, ou como uma frase. Esses são os jogos de leitura livre e exigem também muito domínio da interação entre as cartas, para que se possa uni-las de modo a adquirirem um sentido.
Algumas pessoas usam, com sucesso, os jogos que respondem apenas SIM ou NÃO, de acordo com a polaridade das 03 cartas que saírem (positivas, negativas ou neutras), sem levar em conta o significado das mesmas.
Alguns jogam usando uma carta tema, para potencializar a natureza do assunto a ser estudado, atraindo assim os arcanos que melhor expressam o aspecto/estado presente daquele tema... Outros preferem tirar um número X de cartas e lê-las livremente. Neste caso, se entre elas sair a carta tema, que representa o assunto sobre o qual se quer uma resposta,  ela será considerada como uma confirmação, uma dica de que se está diante de uma resposta particularmente clara e acurada. ;)

Enfim, como disse no início, são inúmeros os métodos usados. Qual, o melhor?

O melhor é, e será sempre, aquele com o qual nos sentimos mais à vontade, por já nos ter respondido, com eficiência, inúmeras vezes. Sim... Para sabermos qual é, em determinadas circunstancias, para nós, o melhor método, temos que praticar, repetir, e experimentar!
Por outro lado, é inegável: Não há método mais abrangente que a Mesa Real. Ela fala de pelo menos 36 aspectos da vida, e fala do passado, do presente, e de um futuro provável. Quando eu disse "pelo menos 36", eu estava me referindo ao fato da leitura não se limitar às 36 casas, mas ir muito além! Há histórias a serem lidas nas colunas verticais (que falam do tempo), nas cartas que circundam cada casa, nas chamadas 4 extremidades da mesa, além do que se pode ler horizontalmente, e as mensagens que aparecem ao retirarmos as cartas da mesa, duas a duas!
A mesa real pode parecer difícil, e de fato é rsrsrs...mas é também um grande desafio, uma grande viagem, uma delícia de enigma a ser decifrado, e a melhor representante da magia das cartas ciganas! ;)
Vamos continuar o estudo dos arcanos ao mesmo tempo que iremos começar a exercitar métodos de jogos. O que acham?

Deixo com vocês meu carinho!

Espero suas sugestões... Deixem seus recados ;)








2 comentários:

  1. Oi tenho treinado a mesa real, mas ainda não consequi achar a uma forma de leitua, sempre que vejo textos na internet existem diferenças na forma de interpretar a mesa real e ainda não consegui achar uma forma de ler com a qual eu me identifique mais especificamente, mas gostei do seu texto :)
    Bjos
    Maria

    ResponderExcluir
  2. Oi Maria,
    Obrigada pela mensagem... Continue experimentando... Comigo também foi assim! Aprendi de um jeito, depois de outro... e outro... Todos me ajudaram a achar o meu jeito ;) Claro que, o que tornei "meu" foram os detalhes sobre o "roteiro" a seguir, o que priorizar, etc... Mas tudo veio da minha experiência pessoal com os esquemas de leitura usadas por pessoas mais experientes. Hoje acho que em última análise, está tudo ali... sempre. O quê muda é o jeito com que a gente se aproxima da leitura: Sem pressa, tentando ler todas as mensagens, seguindo nosso roteiro baseado na nossa maneira de ler os "mapas" e sistemas que recebemos de outros... A Mesa Real, é o grande quadro sobre as forças que interagem nas vidas daqueles que nos procuram, dentro de um certo período de tempo. Hoje, como eu disse, acho que está tudo alí...mas nem sempre veremos tudo... Normal! Mas com certeza, a cada dia veremos mais e melhor :)
    Minha vontade é ir transmitindo, pouco a pouco, o meu jeito de trabalhar o Grande Jogo esperando que possa ajudar alguém a encontrar seu próprio jeito...
    Escreva sobre suas experiencias para que eu possa prender com elas ;)

    Beijos carinhosos, ciganinha!

    ResponderExcluir